Óleos de peixes de qualidade: escolha EPAX<sup>®</sup>

Óleos de peixes de qualidade: escolha EPAX®

Desde há 180 anos que a marca norueguesa EPAX® fornece pelo  mundo inteiro ingredientes marinhos de uma qualidade insuperável. A Nutergia e a EPAX® partilham os mesmos valores e o mesmo compromisso ambiental.

A Nutergia escolheu utilizar no ERGY 3 e no SYNERBIOL um óleo de peixe em bruto EPAX®, não concentrado, que respeita as proporções naturais em EPA e DHA e garante um aporte global em ácidos gordos: fala-se em totum lipídico. Todos estes óleos reunem os compostos lipídicos naturalmente presentes no peixe. A  Nutergia é por isso o único laboratório distribuidor do óleo bruto EPAX® na Europa!

Porquê escolher a qualidade EPAX®?

  • Marca membro do GOED (Global Organization for EPA and DHA omega-3) que representa a industria mundial dos ácidos gordos ómega 3 EPA e DHA. É a referência em matéria de normas de qualidade que impõe exigências nos métodos de pesca, nos peixes utilizados, na pureza dos óleos, etc.
  • Óleos provenientes de pesca selvagem, que respeita os métodos de pesca compatíveis e sustentáveis.
  • Garantia de óleos sem antibióticos.
  • Óleos de peixes pequenos que estão no início da cadeia alimentar e menos contaminados pelos metais pesados.
  • Óleos com uma grande pureza que segue normas drásticas: -54% de poluentes e -95% de cádmio e mercúrio em relação as normas impostas pela GOED.

Um  processo de extração a frio para os óleos naturais

O processo de extração mecânica dos óleos EPAX®, a frio e sem solventes, permite obter um óleo de peixe natural não refinado.

Vantagens:

  • Extração a frio sem desnaturar os ácidos gordos.
    O calor é suscetível de alterar a estrutura dos ácidos gordos, ficando inativos ou nocivos.
  • Processos mecânicos, sem utilização de solventes químicos.
    Sem resíduos de produtos químicos no produto final.
  • Processo de fabricação garantido sem esterificação dos ácidos gordos.
    A esterificação é um processo químico com o objetivo de dissociar os ácidos gordos naturalmente presentes no óleo sob forma de triglicéridos. Acoplado a uma molécula de álcool, os ácidos gordos, transformados em ésteres etílicos, são então classificados, selecionados e reagrupados para formar novas combinações de trigliceridos com propriedades diferentes.
  • Eliminação sistémica do dioxigénio (menos de 1% de resíduos de oxigénio nas etapas críticas de produção) para manter um óleo de alta qualidade reduzindo no máximo a sua oxidação.
    A presença de oxigénio pode ser fonte de oxidação (stress oxidativo) que altera os ácidos gordos e tornam os óleos ranços.