Oligoelementos essenciais

Oligoelementos essenciais

Os sais minerais e oligoelementos pertencem à mesma família de nutrientes. Os primeiros estão presentes em quantidades bastante elevadas no organismo. Os segundos são encontrados em pouca quantidade quase vestígio, daí o seu nome: oligos querendo dizer pouco em grego!

Hoje em dia, as funções da maioria dos oligoelementos no organismo são reconhecidas e sabemos que são indispensáveis para muitos metabolismos.

Porquê precisamos deles?

Macro, micro, mesmo valor

Apesar de muito pequenos para serem visíveis, os oligoelementos estão presentes em toda a matéria, líquida ou sólida. Do micróbio ao elefante, toda a gente os utiliza!

Sem eles, a maioria das reações químicas vitais não aconteceriam ou levariam muitos séculos para se realizarem!


Os minerais chamados maioritários ou macroelementos pesam muito no organismo dos vertebrados (incluindo humanos): 1 kg em média de cálcio no corpo de um homem adulto de boa saúde.

Os oligoelementos são muito leves... as quantidades no organismo contam-se em microgramas (µg). Mas não é por isso que não são importantes! Como para os minerais maioritários, são indispensáveis para o normal funcionamento do organismo.

No total, macro e oligoelementos representam cerca de 4% do peso de um ser humano. Todos são insdispensáveis!

Mas indispensáveis porquê?

Podemos dizer para tudo! ou quase! Desde a fabricação de proteinas à transmissão dos impulsos nervosos, da consolidação do esqueleto, ao normal funcionamento de vários sistemas (nervoso, cognitivo, imunitário, sanguineo, digestivo), da manutenção de tecidos (conjuntivos por exemplo), os oligolementos protegem também, para a maioria, as células das oxidações indesejáveis.

Alguns deles limitam-se a uma ação, outros acumulam-nas, todos respondem a uma necessidade fisiológica invisível aos nossos olhos.

Onde encontrá-los?

Nenhum mineral e nenhum oligoelemento é elaborado pelo organismo, mas as nossas células não os podem dispensar. Antigamente, as necessidades eram preenchidas pela alimentação e pela água. Hoje em dia nem sempre se verifica. Conselho: Maneiras de cozinhar

Alimentação industrial, poluição do ar, da terra e das águas, culturas intensivas têm tendência em reduzir a quantidade como a qualidade dos nutrientes.

Nunca o diremos suficientemente: encha os seus pratos de frutas e legumes biológicos, evite os alimentos embalados, opte pelas cozeduras suaves.


Porquê são tão importantes?

Os oligoelementos como as vitaminas participam na vida da célula. Esta deve ser « alimentada » pelos elementos assimiláveis. Para entender, façamos o caminho do alimento até à assimilação pela célula.

Para realizar todas as funções vitais, um número impressionante de reações químicas desenvolvem-se a uma velocidade acelerada. Como? 

Através de proteínas ou enzimas, específicas de cada reação bioquímica, chamadas catalizadores. Para serem ativas, estas enzimas estabelecem relações com cofatores que são as vitaminas e os oligoelementos.

Alguns oligoelementos fazem parte da estrutura das vitaminas (cobalto e vitamina B12) ou das hormonas (iodo das hormonas tiroidianas), outros têm um papel estrutura (silício que liga as fibras de colagénio a outras nos tecidos conjuntivos). Mas todos intervêm a nível celular, daí a sua importância.

Reações em cascata

A maior parte das vezes uma reação enzimática provoca uma outra reação. A síntese de uma hormona por exemplo necessita de muitas transformações, as reações enzimáticas sucedem-se « em cascata », cada uma através do seu oligoelemento e de sua vitamina.

Entende-se que neste caso, quando muitos oligoelementos ficam em carência moderada (quantidade insuficiente), o rendimento global das enzimas dimimui. Um aporte em oligoelementos com doses fisiológicas reinicia as cadeias de transformação que a termo irão nutrir a célula...




 

Algum vocabulário

Uma « molécula » é uma estrutura de base da matéria. Enzimas e células são um conjunto de moléculas.

A palavra « célula » provém do latin cellula que significa « célula de monge » e designa a unidade biológica estrutural e funcional de base, presente em todos os seres vivos.

Sabia que...

No nosso organismo, em 1 segundo, uma molécula de enzima pode catalizar a transformação de 1000 moléculas! Sem enzimas e sem oligoelementos, esta mesma reação aconteceria em vários minutos, horas ou dias...

Um ou mais oligoelementos?

No seu ambiente natural, um oligoelemento convive com outros sais minerais e outros oligoelementos. No entanto, a natureza guarda muitos mistérios sobre o seu funcionamento. Se não sabemos como, sabemos no entanto, que interagem entre eles e que esta interação é a condição da vida. Muito simplesmente.

Por isso, é preferível conservar esta sinergia intacta. Em primeiro lugar, porque a ativação das enzimas necessita vários oligoelementos; segundo, porque a absorção da sinergia é sem dúvida, mesmo que não tenhamos provas, responsável por outros equilíbrios e outras sinergias!

Este princípio de naturalidade adquirida, o complexo de oligoelemntos pode ser enriquecido por um oligoelemento particular, destinado a responder a uma necessidade precisa.

Para quem, porquê?

As mulheres nascem iguais em direitos com os homens, mas são no entanto submetidas a provas fisiológicas e sociais! O corpo vive ao ritmo das hormonas e particularmente durante a puberdade, a menstruação, gravidez e menopausa. Além demais, lidam com a carreira o dia-a-dia da família. Algumas pausas impõem-se!

Para apoiar esta energia, os oligoelementos mais solicitados são o magnésio consumido pelo stress e cansaço, o ferro, constituinte da hemoglobina, perdido durante a menstruação ou nos partos, o iodo quando a tiroide tem dificuldades em encontrar o seu equilíbrio.


As mulheres e os homens ativos cuja vida é uma sucessão de reuniões, obrigações, desafios contra o tempo, sonos mais curtos e refeições feitas fora de casa, rápidas e industriais.

Os oligoelementos mais prováveis de serem consumidos são o magnésio, o zinco cuja função é lutar contra as oxidações indesejáveis das células, o molibdénio que contribui para o metabolismo normal dos aminoácidos sulfurados e por isso para a digestão, o selénio, verdadeiro escudo contra os radicais livres.


Os séniores que desejam conservar o seu capital osteo-articular, manter uma atividade normal e preservarem-se dos vírus sazonais. Os oligoelementos mais solicitados pelo corpo são o zinco-silício, o selénio e o manganês-cobre.


Os adolescentes passam por profundas mudanças hormonais que podem manifestar-se por uma pele mais sensível com tendência acneica. Estão mais expostos aos vírus sazonais. Uma sensação de cansaço intenso é por vezes sentida. Zinco, associação de manganês-cobre e ferro são rapidamente em carência sobretudo se a alimentação não for equilibrada.


As pessoas com dificuldades em digerir por causa de um disfunciomento do metabolismo dos macronutrientes (como os açúcares e gorduras), consequência de uma alimentação desequilibrada e pobre em alimentos de qualidade, de um fígado preguiçoso ou uma exposição crónica a poluentes. O molibdénio, o crómio e ou zinco são os primeiros a faltar para as enzimas.