As plantas detox


Acabar com os excessos do inverno, preparar-se para o verão, lutar contra a retenção de líquidos, voltar a ter a pele saudável e uma tez radiante, ou simplesmente eliminar os tóxicos acumulados para favorecer o bem estar geral do organismo.  Seja qual for o seu objetivo, a primavera é a estação ideal para iniciar uma cura detox!

Plantas para eliminar e desintoxicar

Para uma desintoxicação natural e suave, pense nas plantas.

A associação de plantas diuréticas e digestivas permite ter uma ação dupla ou seja depurativa e drenante: as primeiras favorecem a eliminação renal (eliminação de líquidos!) enquanto que as segundas melhoram o funcionamento do sistema digestivo e a evacuação de detritos do organismo.

Entre as plantas digestivas, encontramos as que têm propriedades coleréticas, que estimulam a produção da bílis pelo o fígado (a bílis é de seguida  armazenada na vesícula biliar), e as plantas colagogas que promovem o esvaziamento da vesícula biliar. Os metabolitos do aparelho digestivo são expulsos com a bílis.


Alcachofra (Cynara scolymus) • Ação no fígado, rim e vesícula

Introduzida em França na época de Luis XIV, a cultura da alcachofra é hoje em dia muito difundida na região Este do país. Consumida sobretudo pelo seu coração (fundo da alcachofra) e pelas suas brácteas (folhas em escama), é principalmente no seu caule e folhas que se encontram os princípios  ativos nomeadamente a cinarina. Esta molécula antioxidante atribui à alcachofra virtudes protectoras para o fígado contra as lesões que podem ser causadas por substâncias tóxicas.
Por outro lado, a alcachofra é um verdadeiro drenador hepatobiliar, porque é colerética e colagoga. Também lhe são atribuídas propriedades diuréticas.


Rábano negro (Raphanus sativus) • Ação sobre o fígado e a vesícula

Chineses, gregos, romanos, egípcios… todos utilizam o rábano negro, se bem que a sua origem exata ainda é um mistério. Hoje em dia, o rábano negro tem um lugar importante na fitoterapia pelas suas virtudes antimicrobianas e digestivas. De facto, contém isotiocianatos e glucosinolatos que aumentam a atividade das enzimas de desintoxicação hepática. Protetor do fígado e estimulante das secreções biliares e da digestão, o rábano negro é um ingrediente de escolha para a cura de detox!


O brócolo (Brassica oleracea) • Ação no fígado

O brócolo, originário de Itália, deve o seu nome ao seu formato de pequena árvore, bracchium significa «ramo»  em latim. Planta da família das crucíferas, o brócolo é rico em compostos protectores e antioxidantes, nomeadamente em sulforafano, um regulador de enzimas de desintoxicação hepática.


O dente de leão (Taraxacum officinale) • Ação no rím e no fígado

Planta dos prados, apreciada pelos seus brotos de primavera, o dente-de-leão consome-se desde  a raiz até às suas folhas pelas suas várias virtudes. Também é conhecido pelas suas qualidades diuréticas (aumenta a quantidade de urina) e os seus benefícios no sistema urinário. Contém também antioxidantes e outros compostos que agem no fígado e ajudam na regulação da digestão.


A Rainha dos prados (Spiraea ulmaria) • Ação no fígado e no rim

A rainha dos prados, antes chamada spirea, está na origem do nome de um famoso medicamento. Contém de facto substâncias ativas derivadas do ácido salicílico; que encontramos na aspirina. Graças aos seus princípios ativos, a rainha dos prados possui virtudes anti-inflamatórias e analgésicas. Mas não só, protege também o fígado e o rim e o seu efeito diurético torna-a indispensável em qualquer cura detox.


A bardana (Arctium lappa) • Ação sobre o fígado e a pele

Num tratamento detox, a bardana age em 2 níveis. Por um lado, é um gastro e hepato-protetor poderoso  pela sua riqueza em  antioxidantes, nomeadamente. Protege  assim o fígado e os órgãos da digestão, dos danos provocados pelas toxinas.

Por outro lado, a bardana é famosa em dermatologia pela a sua ação depurativa. Melhora a qualidade da pele e permite desintoxicar este emunctório muitas vezes esquecido!


O cardo-mariano (Silybum marianum) • Ação no fígado e vesícula

O cardo-mariano é uma planta utilizada desde a antiguidade por tratar os problemas hepáticos e biliares. As suas sementes contêm uma família de compostos ativos (silimarina) que exercem uma ação hepatoprotectora e regeneradora. O cardo mariano tem também uma ação estimulante na secreção biliar.