Criança: necessidades nutricionais especiais

Um período de crescimento rápido

A infância é uma época de crescimento e desenvolvimento intenso. Só no primeiro ano de vida, a altura de uma criança aumenta em 50% e o seu peso duplica. Aos 4 anos de idade, o peso da criança terá aumentado 5 ou 6 vezes em relação ao seu peso de nascimento, enquanto que a sua altura terá mais do dobro! Podemos imaginar a energia necessária ao corpo para produzir uma tal velocidade de crescimento. Soma-se a isso o desenvolvimento intelectual e psicomotor, bem como toda a aprendizagem que permitirá que o seu bebé se torne uma criança e depois um adulto com todas as suas habilidades: em poucos meses, ele aprenderá a comunicar, a falar, a andar, a usar as mãos para manipular objectos... Portanto, é essencial garantir que a dieta do seu filho fornece toda a energia e todos os nutrientes, vitaminas, sais minerais e oligoelementos necessários para as suas necessidades nutricionais durante este período crucial de desenvolvimento.

Quais são os requisitos dietéticos de acordo com a idade da criança?

Bebés de 0 a 6 meses:

O crescimento é muito rápido, pelo que as necessidades nutricionais e micronutricionais são muito elevadas. A amamentação é exclusiva, e o leite materno ou fórmula, rica em gordura e proteínas, cobre todas as necessidades específicas do bebé durante os primeiros 6 meses. O leite materno também contém muitas bactérias que são importantes para a colonização e o estabelecimento da microbiota intestinal da criança. No entanto, o leite materno contém pouca vitamina D, pelo que a suplementação pode ser recomendada para a mãe e o seu bebé. 

A partir dos 4 meses de idade: início da diversificação alimentar para a criança

Após 4 meses, a amamentação já não é suficiente para cobrir o consumo total de energia do bebé e para satisfazer as necessidades nutricionais necessárias para o desenvolvimento adequado da criança a partir dessa idade. Este é o momento da diversificação alimentar, quando os alimentos sólidos são introduzidos na dieta do bebé. As suas refeições consistirão em:

  • sopas de legumes, compotas de fruta
  • produtos láteos sob a forma de iogurtes (queijo branco, iogurte)
  • farinhas sem glúten
  • proteínas com baixo teor de gordura e de alergénios (peito de frango, peixe branco, carne magra)
  • ingestão de gordura sob a forma de uma colher de chá de azeite, 2 colheres de chá de óleo de colza ou 1 colher de chá de manteiga/dia 

A partir de 10 meses: Importância da educação na primeira infância para um bom comportamento alimentar 

A primeira infância é um momento crítico para o desenvolvimento de bons hábitos alimentares e de nutrição. É importante introduzir bons hábitos desde tenra idade: 4 refeições feitas sentado, à mesa, em família, sem televisão ou tablet ou outra distração, e mastigar correctamente...

De 15 meses a 3 anos, a refeição assemelha-se à dos pais

A partir dos 2 anos, a refeição torna-se similar a dos pais, evitando frituras, carnes grelhadas, cozidos a alta temperatura, charcutaria. Dos 4 aos 10 anos de idade, o crescimento estabiliza, depois dos 11 aos 16, na adolescência, volta a acelerar, a actividade física e intelectual é frequentemente mais intensa e as necessidades são novamente muito elevadas, particularmente em micronutrientes.

De que micronutrientes precisa uma criança diariamente?

A infância é quando as necessidades nutricionais são mais intensas. A dieta deve fornecer os nutrientes necessários (hidratos de carbono, gorduras, proteínas) e micronutrientes (vitaminas, minerais, oligoelementos):

  • as necessidades energéticas do corpo
  • ao metabolismo basal
  • para o crescimento dos ossos, músculos
  • desenvolvimento psicomotor
  • desenvolvimento intelectual 

Os corpos das crianças precisam de vários tipos de nutrientes e micronutrientes para funcionarem e se desenvolverem bem:

- A proteína é necessária para a formação e desenvolvimento de ossos, tecidos e músculos. Encontram-se na carne, peixe e ovos, assim como leguminosas e leguminosas, que são fontes de proteínas de origem vegetal. A sua ingestão muda de acordo com a idade da criança: entre os 3 e 5 anos, as proteínas devem representar 6 a 16% da ingestão total de energia, e até 20% na adolescência.

- Os hidratos de carbono são a principal fonte de energia do corpo. A proporção de hidratos de carbono na dieta aumenta gradualmente até à adolescência, de 40 para 55% (45% em adultos). Um excesso de carboidratos simples na infância poderia estar ligado a um risco acrescido de cárie, obesidade, diabetes tipo II, doenças cardiovasculares na idade adulta... Recomendações: não mais de 20% de açúcares simples, limitar biscoitos, evitar bebidas açucaradas e doces, ter cuidado com os hidratos de carbono escondidos em pratos industriais.

- Para além do seu papel energético,  os lípidos são essenciais para a formação adequada do sistema nervoso e para o desenvolvimento da visão. São os principais macronutrientes na dieta dos bebés até aos 3 anos de idade (leite materno) com 45% a 50% do consumo total de energia.

- As vitaminas são essenciais para o crescimento das crianças. A vitamina A é importante para a visão, a vitamina C apoia o bom funcionamento do sistema imunitário, e as vitaminas B são co-factores enzimáticos essenciais para as reacções celulares. Finalmente, a vitamina D é uma das vitaminas mais importantes para as crianças: é necessária para o seu crescimento e desenvolvimento ósseo, assim como para o bom funcionamento das suas defesas naturais. Recomenda-se a suplementação durante todo o ano para assegurar o estado adequado de vitamina D, especialmente durante os meses de Inverno, quando há menos exposição solar.

- oligoelementos e minerais que desempenham muitas funções no corpo: 

  • A dieta deve fornecer cálcio (cerca de 500 mg por dia de 0 a 1 ano) e fósforo suficientes para permitir uma boa construção óssea.
  • Iron está envolvido no bom desenvolvimento cognitivo, e é o défice micronutricional mais frequente em França! Para encher em ferro, pense em leguminosas, cereais integrais, fígado, carne, peixe e gema de ovo.
  • O iodo está envolvido nas actividades metabólicas da glândula tiróide e contribui assim para o crescimento saudável das crianças. A deficiência de iodo é um problema de saúde pública: 1/3 das crianças em idade escolar seriam afectadas. Desde 1978, o rastreio sistemático de recém-nascidos por picada de calcanhar no terceiro dia de vida tornou possível diagnosticar este problema e tratá-lo rapidamente.
  • O magnésio desempenha um papel na mineralização do esqueleto e será, portanto, importante para o crescimento da criança. É também um dos principais elementos vestigiais do sistema nervoso, pois está envolvido na síntese de neurotransmissores, os mensageiros do cérebro. A ingestão de magnésio será do interesse de crianças agitadas e turbulentas que têm dificuldade em adormecer.