Articulações: cuidado, frágil!

Articulações: cuidado, frágil!

O nosso corpo contém cerca de quatrocentas articulações, algumas muito solicitadas diariamente. Verdadeiras dobradiças entre dois ossos, são indispensáveis para efetuar os movimentos. São muitos os fatores que favorecem a sua degradação, muitas vezes lentamente, provocando lesões irreversíveis.

Os desconfortos articulares, com consequências na qualidade de vida, não são uma fatalidade. Pode-se limitar o aparecimento e os efeitos, com soluções simples, tanto na higiene de vida como no nosso prato.

As articulações – Questões?

1 • De que é composta  uma articulação?

Uma articulação é a junção entre a extremidade de 2 ossos. Cobertos de cartilagem, substância resistente, lisa, « nutrida » e lubrificada pelo líquido sinovial (como óleo num motor), líquido viscoso que permite o deslize dos ossos sem constrangimento e fornece à articulação uma grande capacidade de amortização. 

A cartilagem é composta de água em 70 a 80% e de um entrelaçar de fibras de colagénio e de ácido hialurónico assegurando tonicidade e elasticidade. Estas fibras ajudam outras proteínas (glucosamina e condroitina), verdadeiras esponjas que retêm água, impregnando-se do líquido sinovial. São células especializadas, os condrócitos, que renovam a cartilagem produzindo estas fibras de colagénio e a condroitina.

2 • Ter desconfortos articulares, é ter reumatismos?

De facto, este termo é vasto e reúne as cartilagens danificadas chamadas artrose ou reumatismos degenerativos e destruições articulares com alterações do sistema imunitário que provocam inflamações (fala-se de reumatismos inflamatórios ou artrites). Nos dois casos, o processo é lente e pode passar despercebido (caso da artrose).

3 • Não há inflamação na artrose?

Sim, a destruição progressiva da cartilagem é devida a uma inflamação crónica dos condrócitos ou células que fabricam a cartilagem sob impacto dos traumatismos (gestos repetitivos, desporto de contacto, excesso de peso) mas também de um terreno genético. Esta inflamação atinge os tecidos vizinhos e estimula as terminações nervosas que ficam hipersensíveis. Os condrócitos inflamados fabricam também enzimas que « digerem » a cartilagem. O equilíbrio é quebrado: a destruição ganha terreno na formação de cartilagem. Acontece o mesmo a nível da membrana sinovial: o lubrificante fica cada vez menos viscoso e protetor.

4 • Ideia: artrose = envelhecimento, é verdadeira?

Não, a artrose aparece em qualquer idade. As suas origens são diversas: acumulação de microtraumatismos, sobrecarga física, excesso de peso, genética, alimentação. Pode aparecer após um traumatismo importante, seja qual for a idade.
No entanto, somente 3% das pessoas com menos de 45 anos é afetada, 65% após os 65 anos e 80% para além dos 80 anos.

5 • E nisto tudo, o sexo tem influência?

As mulheres são diferentes dos homens neste assunto. A artrose é mais frequente nas mulheres após os 50 anos. A causa: os estrogénios. Os condrócitos possuem receptores de estrogénios. A sua estimulação provoca a síntese de fatores de crescimento. Após a menopausa, há queda dos estrogénios com diminuição da síntese destes fatores de crescimento.

6 • Articulações sensíveis à mudança do tempo, verdade ou mentira?

Fala-se muitas vezes na manifestação dos desconfortos articulares com a chegada da chuva. Foi considerada «não culpada » pela Academia de Medicina que não confirmou a ligação entre as variações da pressão atmosférica e o aumento dos desconfotos. Parece que a ligação tem que se procurar no sedentarismo: com o mau tempo, as pessoas não saem e têm tendência em imobilizar-se, provocando as dores. Viva o movimento! No entanto, há melhorias com a colocação de fontes de calor como um  saco de água quente ou um secador.

Sabia que

Os reumatismos inflamatórios aparecem geralmente no jovem adulto e podem atingir as crianças (artrite e espondilartrite anquilosante e juvenis).
Entre os desportistas de alta competição, o risco de artrose do joelho e da anca é superior a 85%. Os mais expostos: os jogadores de futebol, de andebol e os de hóquei.

« Desbloqueio » matinal mais longo, rigidez? Como cuido das minhas articulações

Agindo nos fatores ambientais

Suprimo o tabaco: é um fator potencialmente que favorece os reumatismos inflamatórios;

Luto todos os dias contra os quilos a mais: o excesso de peso « pesa » nas articulações; multiplica por 3 ou 4 o risco de artrose do joelho e dos dedos.

Pratico desporto mas sem exagerar: a prática de um desporto permite conservar a flexibilidade articular. Mas o excesso prejudica => praticar de maneira razoável e diversificar as atividades para não solicitar sempre as mesmas articulações. Suaves para as articulações: bicicleta e natação. Mais agressivas, em terrenos duros e com pouca amortização: a corrida, o ténis, o squash. 

Limito o stress: o stress de repetição,  bem conhecido, favorece a sensibilidade.

Agindo na cozinha, com a micronutrição e plantas benéficas: o trio vencedor

Diminuo a temperatura de cozedura: em alta temperatura há formação de « proteínas glicais », substâncias que desencadeiam um aumento de moléculas inflamatórias, muito agressivas para as articulações.

Escolho um prato « articulações » com um menu de legumes e frutas ricas em minerais alcalinizantes. Um excesso de ácidos provenientes de carnes, açúcar refinado, sal… agridem os tecidos; as articulações sensíveis podem ser um elemento revelador. Aposto nos polifenóis e outras moléculas com propriedades antioxidantes (todas as especiarias caçam o stress oxidativo, multiplico as cores no prato), e nos ómegas 3 dos peixes pequenos selvagens ou de óleos de colza e de noz. Bebo água, chá verde, infusões - a cartilagem é composta por 75% de água, pense nela!

Vou buscar à micronutrição: o silício e a vitamina C, que favorece a produção de colagénio; o manganês que participa na normal formação dos tecidos conjuntivos, com nutrientes (sobretudo vitaminas) que ajudam na proteção das células contra as oxidações indesejáveis. Assim como o zinco que apoia no equilíbrio acido-base, a vitamina D que contribui para a manutenção dos osso, os ómegas 3 cujo nível é muito baixo nas pessoas com reumático.

Se for o caso de reumatismos inflamatórios, poderei fazer o teste do « sem glúten e sem lácteos »: os produtos lácteos e os alimentos com gluten podem, nas pessoas predispostas, agredir a mucosa intestinal que deixa de exercer a sua função de barreira deixando passar as moléculas que ativam o sistema imunitário, originando uma inflamação que pode afetar as articulações..
Consulte o seu médico ou seu terapeuta.

 Utilizo as plantas para o conforto articular:  harpagophytum, o aliado por excelência no caso de artrose; as folhas de groselha, agem tanto na eliminação de ácidos (é um « drenador ») e os desconfortos; e plantas ricas em minerais, como a silícia: cavalinha, bambu, urtiga